Como ser criativo em tempos de crise?

May 22, 2020

 

As vezes me pegunto como que renomados artistas mantiveram o foco da criação, será que eles realmente eram o tempo todo criativos? Será que o processo criativo pode ser realmente comparado a uma linha de produção? Como podemos criar se estamos envolvidos na rotina desta linha? E se algum dia faltar energia por exemplo? A qualidade cair? Se você é músico ou toca algum instrumento, lê partitura, sabe que toda bela sinfonia tem suas pausas e seu ritmo, assim é a vida na minha humilde opinião. E é nas pausas que percebemos qual ritmo iremos aplicar na sequencia, é nela que optamos por continuar na zona de conforto ou embalar a nova batida.

 

Acredito que este é o grande dilema de uma mente criativa: Como podemos reinventar o nosso próprio negócio e a nós mesmos, sair desta zona de conforto se o mundo está um caos, se a nossa mente está um caos? A preocupação de uma doença, um parente querido que se foi, o luto, a ausência e a perda de pessoas que te inspiravam, a incerteza de um futuro cenário econômico que poderá mudar o rumo e norte do planeta, são tantas as dúvidas de um empreendedor, tantos desafios não é mesmo? E ainda como se não bastasse todas estas questões, vem o desafio de equilibrar a família com suas particularidades e singularidades, como fazer para pagar as contas e não fechar no vermelho no final do mês e ainda ter um tempo para cuidar da sua própria saúde.

 

Penso que não existe receita de bolo, por mais “cases de sucesso” que você venha ler. Mas penso que a obervação e o auto conhecimento podem ser peças fundamentais neste processo, mas, a pausa, ah a pausa... é essencial para manter o ritmo, é nela que você consegue o precioso tempo para observar mais, planejar e agir.

 

Permita-me compartilhar a seguinte história:

 

"Mestre e discípulo andavam pela estrada. O caminho era inóspito, agressivo. O ambiente não era favorável à vida. Muitas pedras e montanhas escarpadas de pouca vegetação. Avistaram, ao longe, uma casinha de aspecto pobre e humilde, e para lá se dirigiram.

Foram recebidos, hospitaleiramente, pelo dono da casa e sua numerosa família. Foram abrigados, e os residentes, com eles, compartilharam sua escassa comida e seu espaço para dormir. Interrogado pelo mestre, o dono da casa disse que a alimentação provinha de uma única fonte: uma única vaca da qual tiravam leite e seus subprodutos. O excedente era usado para efetuar trocas no povoado mais próximo.

Mestre e discípulo ficaram ali alguns dias, e depois partiram. Algumas horas depois da partida, o mestre disse ao discípulo:

- Volte lá, às escondidas, e jogue a vaca do topo do penhasco.

Estupefato, o discípulo argumentou:

- Mestre, como podes me pedir isto? Não percebes a pobreza de tão numerosa família, e que seu único sustento é aquela pobre vaca? E, mesmo assim, pedes-me para jogá-la do topo do penhasco?

- Sim - disse o mestre. Jogue a vaca do penhasco.

Desorientado, o discípulo decidiu atender o mestre, no entanto, não conseguia fazê-lo, sem sentir uma enorme culpa. Mesmo assim, o fez pelo mestre.

Alguns anos depois, passaram novamente pelas proximidades, o mestre e o discípulo. Sem nada dizer ao mestre, o discípulo decidiu que faria a expiação, e pediria perdão por ter jogado a vaca do penhasco. Assim, dirigiu-se até lá. Mas, quando chegou, não mais encontrou a pobre casinha em seu lugar. Havia uma construção nova e confortável. As pessoas, que avistou, eram limpas e bem vestidas, o ambiente era de trabalho, e o progresso era evidente. Foi, então, até uma das pessoas e perguntou:

- Há uns dois ou três anos, aqui havia uma pequena e pobre casinha. Saberia me dizer para onde foram aquelas pessoas?

- Somos nós - respondeu o homem.

- Não, refiro-me àquelas pessoas pobres que aqui viviam.

- Somos nós - respondeu ele, novamente.

- Mas, o que aconteceu? - disse, olhando o progresso a sua volta.

- Bem - disse o homem. Aconteceu, numa noite, um terrível acidente, em que nossa vaca, nossa única vaca, caiu do penhasco, e ficamos sem nossa fonte de sustento. Não tivemos outra alternativa, então, a não ser buscar trabalho. Descobrimos, então, nossas próprias capacidades, e as potencializamos. Como resultado, temos hoje uma bonita e confortável casa".

 

Por incrível que pareça, é na crise que surgem as oportunidades, é no fim que pensamos no inicio, tomamos coragem, pegamos impulso e seguimos em frente! Ache sua fonte de energia, o que te faz feliz e levantar da cama todas as manhãs, dê sua pausa, recarregue e siga em frente com o sentimento de gratidão por estar vivenciando essa magnífica experiência chamada vida! Lembre-se que a depressão é o excesso de passado, a ansiedade é o excesso de pensamentos futuros e a real vida, o equilíbrio, é o presente!

 

Um breve exercício para ilustrar um pouco mais toda a essência aqui apresentada:

Feche os olhos, coloque os dedos indicadores nos ouvidos e tampe-os até vedá-los por completo, escute o ar entrando e saindo dos pulmões, ao fundo as batidas do coração como as de um relógio contando os segundos, se pergunte neste momento: quanto tempo será que eu ainda tenho? quantas batidas ainda este relógio irá contar? Respire fundo mais uma vez, medite, ore, mas foque no momento presente e nas reações do seu corpo. Retire os dedos dos ouvidos e escute o som do mundo ao seu redor, aprecie a sinfonia e o seu novo ritmo, faça valer os segundos!

 

Um abraço,

Thiago Lyra

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts em destaque

Como ser criativo em tempos de crise?

May 22, 2020

1/4
Please reload

Posts Recentes

June 10, 2019